“A única forma que encontraram de sequestrar o voto do povo foi sequestrando o candidato do povo”, afirma Porto

“A única forma que encontraram de sequestrar o voto do povo foi sequestrando o candidato do povo”, afirma Porto

Na sessão ordinária desta segunda-feira (09), o vereador Paulo Porto (PCdoB) fez uso da tribuna para comentar o não cumprimento do alvará de soltura expedido neste domingo (08) em favor do ex-presidente Lula, preso na sede da Polícia Federal em Curitiba desde o dia 7 de abril.

“Se restava alguma dúvida de que Lula é um preso político, a partir dos eventos de ontem, não pode mais haver dúvida nenhuma. Raras vezes se viu na história – inclusive na ditadura – tal perseguição contra uma liderança política, talvez comparável apenas à perseguição da UDN de Carlos Lacerda ao presidente Getúlio Vargas nos anos 50. Porém, ao contrário de Vargas, Lula não se suicidou e segue sendo o líder na corrida presidencial do país”, destacou Porto.

O vereador questionou como pode um juiz em férias intervir em um Habeas Corpus contra alguém que ele condenou. “Não sei se existe um caso parecido com esse na história jurídica do nosso país… o que leva uma empresa como a Rede Globo a fazer uma campanha massiva contra um Habeas Corpus? O que leva a Polícia Federal a se negar a cumprir uma ordem de soltura por dez horas consecutivas ao arrepio da lei? E aqui nós temos quase todos elementos de uma ditadura: um judiciário parcial e seletivo, uma imprensa mentirosa e corrompida e uma polícia – neste caso a Polícia Federal de Curitiba – que age à margem da lei”, disse.

Na opinião de Porto, neste último domingo, o que havia sobrado do Estado de Direito no Brasil ‘foi pras cucuias’! Segundo ele, agora tudo é possível, pois a legalidade está absolutamente suspensa. Neste sentido, o vereador elencou três questionamentos: que direito tinha Moro de determinar a manutenção de Lula preso contra ordem de instância superior? Que direito tinha a Polícia Federal de Curitiba de manter Lula preso diante de um alvará de soltura que foi entregue às 10 horas da manhã? Que interesse tem a Globo em defender com unhas e dentes, com ou sem argumentos, a manutenção da prisão de Lula à revelia de qualquer preceito jurídico?

“A resposta, meus amigos, está nas eleições de outubro. Lula não está preso pelos seus crimes – até por que nenhum deles foi provado. Lula está preso por representar um projeto de soberania nacional, no qual os interesses da maioria do povo brasileiro estão acima dos interesses dos banqueiros, do capital rentista e dos grandes empresários, parcela que não chega a 1% da nossa população mas que comanda quase 80% do nosso PIB, os mesmos 1% que governam o Brasil há 500 anos, os mesmos 1% que mandam no juiz Sérgio Moro, que mandam na Polícia Federal de Curitiba e que mandam na Rede Globo de televisão”, disse.

O vereador reforçou que Lula segue preso, com ou sem provas, com ou sem Habeas Corpus, porque a questão nunca foi a da defesa de uma pretensa legalidade, mas sim tirar Lula das eleições de outubro de 2018. “Por que se ele for candidato ele vai ganhar! E a única forma que encontraram de sequestrar o voto do povo foi sequestrando o candidato do povo”, destacou.

“Mais do que nunca, Lula é um preso político! Mais do que nunca, o que o ocorreu ontem demostra a falência absoluta do nosso Estado de Direito e que a partir de agora vivemos uma anarquia jurídica onde o pacto social foi irremediavelmente rompido”, afirmou.