Porto destaca ato público contra desmonte e sai em defesa do Ministério do Trabalho

Porto destaca ato público contra desmonte e sai em defesa do Ministério do Trabalho

O vereador Paulo Porto (PCdoB) se solidarizou hoje (26), durante sessão ordinária da Câmara Municipal, aos líderes que se mobilizaram pelo Dia Nacional de Luta em Defesa do Ministério do Trabalho. O movimento é nacional e, em Cascavel, foi realizado em frente ao Ministério do Trabalho, no centro da cidade, mobilizando um grupo servidores públicos, trabalhadores da iniciativa privada e representantes de diversos sindicatos.

“Os direitos dos trabalhadores estão sob um ataque frontal por parte do governo federal, inclusive com manobras do governo eleito e esse mandato se mantém absolutamente ao lado dos trabalhadores, ao lado daqueles que lutam a favor dos trabalhadores brasileiros”, disse o vereador, na Tribuna da Câmara.

O vereador explicou que durante toda a manhã diversos sindicatos, movimentos sociais e líderes políticos se mobilizaram em todo o país para denunciar a verdadeira operação desmonte do Ministério do Trabalho, o que representa uma grave ameaça aos direitos trabalhistas.

Como parte do ato público “Todos contra a extinção do Ministério do Trabalho”, as lideranças distribuíram, em Cascavel, uma carta aberta à população, assinada pelo Sindicato dos Servidores Públicos Federais em Saúde, Trabalho, Previdência e Ação Social do Estado do paraná (SindiPrevs).

No documento ressalta-se que o Ministério foi fundado há 88 anos e “é uma das mais importantes instituições brasileiras”. O órgão, dentre outras funções, tem a missão de fiscalização do trabalho, seguro desemprego, investigação de acidentes de trabalho e confecção da carteira de trabalho. “É fundamental que esse ministério continue a proteger todos os trabalhadores brasileiros. Assegurar a proteção e condições de trabalho digno aos trabalhadores brasileiros”, diz o documento entregue à população.

Ainda conforme a carta aberta, “o falastrão presidente eleito, num rompante anunciou que o Ministério do Trabalho seria extinto e, após, a mobilização dos servidores, protestos das centrais e ampla repercussão desfavorável, mais uma vez desdisse o que falou e ratificou sua posição, dizendo que o MTb permaneceria, talvez fundido com outra pasta”. Segundo o movimento, “esses rompantes aumentam o caos no país” e que esse comportamento não condiz com um governante eleito para conduzir o destino de um pais imenso como o Brasil. “Estamos em luta e exigimos que o novo governo valorize os serviços públicos e os servidores federais”, diz o documento, em que se lista, a seguir, as reivindicações relativas à preservação e ao fortalecimento do MTb:

 

1 – Reestruturação do Ministério do Trabalho

2 – Realização de Concurso Público

3 – Em defesa dos direitos dos trabalhadores

4 – Melhores condições de trabalho

5 – Contra a terceirização e a Privatização dos Serviços Públicos

 

Após ler o manifesto em defesa do MTb, Porto destacou que “nestes tempos sombrios, seguiremos nossa luta, nossa resistência contra todo e qualquer ataque aos direitos dos trabalhadores. Por isso, esse mandato hoje se solidariza a esses trabalhadores em luta, no Dia Nacional de Luta em Defesa do Ministério do Trabalho. Essa é uma luta de todos nós, não só servidores públicos, mas de todos que estão irmanados em favor dos direitos sociais ameaçados sistematicamente por esse governo”.