O uso de agrotóxicos precisa ser discutido com rigor

“O agrotóxicos nos diz respeito”, disse hoje (10) o vereador Paulo Porto (PCdoB) na tribuna da Câmara de Cascavel, ao fazer referência à reportagem sobre a incidência de câncer na região Oeste do Paraná, publicada pelo jornal Gazeta do Paraná, de Cascavel. A reportagem, intitulada “O câncer nos diz respeito”, foi veiculada no dia 24 de novembro, mostra dados de estudos científicos que identificam o número de mortes associadas ao câncer. Estudos revelam que a doença avança a cada ano e, se persistir a trajetória, em cerca de 10 anos o câncer será a principal causa de morte no Brasil e no Paraná, ultrapassando doenças cardiovasculares e do aparelho circulatório, que há décadas são as principais causas de mortalidade no pais.

A mesma reportagem usa dados de um estudo científico de 2016, de pesquisadores ligados à Universidade Federal Fluminense (UFF), em que se relaciona a incidência de cânceres e o uso de agrotóxicos na região Oeste do Paraná. O estudo remete a outras pesquisas sobre o potencial carcinogênico dos agrotóxicos. Entre 162 entrevistados, com diagnóstico de câncer, 31,5% eram de Cascavel. De modo geral, metade dos entrevistados relataram ter tido contato com agrotóxicos.

Segundo o vereador, a reportagem traz “dados assustadores que, mais do que nunca, precisam ser conhecidos e compartilhados”, diz Porto. Para ele, é alarmante ver que o Paraná é um dos “campeões nacionais” em número de municípios cuja principal causa de óbitos esteja relacionada a tumores malignos. “No ranking, estamos atrás apenas de São Paulo, Minas Gerais, Santa Catarina e Rio Grande do Sul”, reitera. Em 40 dos 399 municípios paranaenses, as neoplasias já são a principal causa de mortes e cinco dessas 40 cidades estão na região Oeste do Paraná: Bom Jesus do Sul, Foz do Iguaçu, Guaraniaçu, Lindoeste e Medianeira. O mais grave, conforme Porto, usando dados da reportagem, é que há uma relação inequívoca entre a utilização de agrotóxicos e o número de óbitos por neoplasias.

Conforme Porto, é fundamental que a sociedade possa ter conhecimento desses dados e participe do debate. Daí a importância de reportagens como a veiculada pelo jornal de Cascavel, com base em estudos científicos. “Parabenizo a reportagem por abordar este tema que apesar de antipático para alguns, é tão necessário em nossa região”, diz o vereador, autor de uma lei municipal que proíbe o uso de agrotóxicos no entorno das escolas municipais rurais, já utilizada como referência por outros municípios brasileiros. Porto aproveitou a ocasião para informar que o mandato segue sua postura de combate ao uso de agrotóxicos e que vai promover, no início do ano que vem, um seminário para discutir justamente a questão dos agrotóxicos no município. “E parafraseando o titulo da reportagem ´O câncer nos diz respeito´, leia-se ´O agrotóxico nos diz respeito´. Longe de ser pop, o agrotóxico mata”, encerra o vereador.

 

 

Crédito para foto: Marcelino Duarte/Assessoria Câmara de Cascavel