Comitê discute projeto da Casa de Passagem Indígena em Cascavel

Comitê discute projeto da Casa de Passagem Indígena em Cascavel

O comitê que discute a instalação em Cascavel da Casa de Passagem Indígena, política pública para acolhimento dos povos indígenas em trânsito no município. reuniu-se nesta quarta-feira (19) para sua primeira reunião de trabalho. A criação do grupo foi um dos encaminhamentos extraídos da audiência pública realizada no ano passado na Casa de Leis.

O grupo de trabalho é formado por integrantes da Secretaria de Ação Social, representando o Executivo, Câmara Municipal representada pelos vereadores Paulo Porto (PCdoB) e Vanderlei da Silva (PSC), Ministério Público, Defesa Civil, Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Criança e o Adolescente (CMDCA), Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Mulher (CMDM), Conselho Tutelar, Sindicato Rural Patronal e Conselho Comunitário.

A reunião debateu qual a melhor maneira de implementar a Casa de Passagem, ficando a prefeitura responsável por apresentar na próxima reunião quais são as áreas disponíveis para construção. Um dos principais pontos da discussão foi a necessidade de conscientização da população em relação ao indígena, diminuindo o preconceito e garantindo os direitos sociais destas populações.

Quando da proposição da Casa de Passagem na região sul, não existiu um amplo debate popular que esclarecesse a comunidade sobre as estratégias envolvidas no projeto, que necessitava, por exemplo, de proximidade com a Unioeste (Universidade Estadual do Oeste do Paraná) para garantir projetos de extensão relacionados à educação e formação das crianças e adolescentes indígenas. Estes ficariam na instituição enquanto os pais comercializavam o artesanato, evitando um dos maiores problemas enfrentados atualmente, que é a vulnerabilidade destas crianças na ruas.

O vereador Paulo Porto (PCdoB), que é indigenista e trabalha com comunidades tradicionais desde 1990, esclareceu, que “na audiência realizada no ano passado ficou definido que a construção da casa é importante como forma de política pública inexistente no município, sabemos que se não criarmos ações para impedir a favelização do índio hoje em Cascavel, teremos um problema social bem maior lá na frente, que envolve o alcoolismo, a prostituição e a drogadição”.

A construção da Casa de Passagem é um projeto da Secretaria de Ação Social de Cascavel, autoridades do município de Nova Laranjeiras, secretarias do Estado do Paraná, representantes indígenas e do Ministério Público. Quem desenvolve o projeto é a Cohapar (Companhia de Habitação do Paraná). O complexo indígena está sendo projetado para ter dois módulos com capacidade para 20 pessoas cada, além de um centro de convivência, onde os indígenas poderão comercializar seus artesanatos. A próxima reunião do Comitê está marcada para dia 11 de abril, às 16h, na antessala do plenário da Câmara.

Foto: Flavio Ulsenheimer/Ass. Câmara