Povo Guarani da região Oeste do Paraná promove encontro para fortalecer cultura

 

Caciques, líderes religiosos e lideranças Guarani de pelo menos 10 aldeias da região Oeste do Paraná, participaram nesta semana de um encontro na aldeia de Itamarã, em Diamante do Oeste. O principal objetivo do evento, além da integração, foi promover o fortalecimento da cultura Guarani para as gerações vindouras, considerando as lutas que o povo Guarani mantém como prioridades.

Os Guarani organizam e materializam as formas de resistência a partir da preservação de suas tradições. Exatamente por isso, um dos destaques do encontro em Itamarã foi a presença dos rezadores de várias aldeias e o contato direto deles com os jovens indígenas que irão manter as tradições.

O evento, organizado pelas próprias lideranças guarani da região Oeste do Paraná, foi realizado para promover um amplo debate sobre a conjuntura política. Teodoro Alves, um dos líderes na Itamarã, professor da escola rural indígena da própria comunidade e um dos organizadores do evento, abriu a plenária guarani comemorando “a rica presença” de jovens e idosos no mesmo espaço e com o mesmo objetivo. O evento reuniu mais de 300 pessoas, durante dois dias de trabalho, com rezas, plenárias, apresentações de dança. “Isso é certeza de que nosso futuro segue firme na cultura Guarani”, disse. Para ele, força e coragem são fundamentais para a resistência guarani e dependem da preservação da cultura e valores guarani.

Paulo Porto, vereador do PCdoB de Cascavel, historiador, professor universitário e indigenista, foi um dos poucos não-indios convidados para o evento. Na abertura do encontro, Porto manifestou seu apoio e a continuidade do trabalho em favor dos Guarani da região e de suas lutas históricas. “Os Guarani enfrentam uma série de problemas e tudo passa fundamentalmente pela necessidade de demarcação das terras tradicionais. Os Guarani precisam de terra para plantar, cultivar, produzir alimentos para sustentar as comunidades, de forma a poder construir um presente digno para suas famílias e um futuro melhor para todos os Guarani”, disse, lembrando a importância do contato entre os mais jovens e os mais velhos das aldeias como forma de assegurar as tradições.

Conforme as falas dos líderes indígenas no encontro, os principais problemas que demandam a resistência Guarani continuam sendo a terra, saúde, educação diferenciada e específica e a auto-sustentação nos Tekohá.

 

IMAGENS DO ENCONTRO GUARANI NA ALDEIA DE ITAMARÃ