Paranhos pode inviabilizar o SIM-PR em Cascavel

Paranhos pode inviabilizar o SIM-PR em Cascavel

Compartilhe

Paulo Porto vai ao Ministério Público em defesa do SIM – PR e repudia decisão infeliz de Paranhos

O SIM-PR (Serviço Integrado de Saúde Mental) é um programa para tratamento e acolhimento de pessoas com problemas decorrentes do uso de álcool e drogas, em Cascavel foi instalado no início de 2015 na região norte da cidade. Na semana passada o vereador Paulo Porto (PT) encaminhou denúncia ao Ministério Público do Paraná sobre um pedido feito pelo Executivo à direção do CAPS-AD III (Centro de Atendimento Psicossocial Álcool e outras Drogas) onde funciona o Programa SIM-PR. A ordem é que um espaço físico  seja liberado para a instalação da SEMPPRO (Secretaria Municipal sobre Drogas e Proteção da Comunidade) que funciona junto à Defesa Civil.

O Programa SIM-PR é uma parceria entre Governo do Estado, Prefeitura e Cisop, atende mais de 3 mil usuários de álcool e outras drogas de Cascavel e outros 24 municípios da região com acompanhamento médico, psicológico, atividades e oficinas para reabilitação e reinserção no mercado de trabalho e na família, além de fornecer acolhimento para  os pacientes que necessitam. A estrutura para atendimento já não é suficiente, dividir com outra secretaria não é ideal, muito menos com a secretaria que abriga a Guarda Municipal, pois são atividades completamente opostas. A maioria das pessoas atendidas pelo CAPS-AD III e SIM-PR vivem a margem da sociedade, “Não podemos permitir que pessoas que estão em tratamento voluntário para deixar dependência em drogas tenham que dividir o espaço com a figura da repressão, que é a Guarda Municipal” afirma o vereador que defende um espaço adequado para a GM e não um improviso em outro serviço público “Não podemos, para fortalecer um serviço público, comprometer outro” conclui.  Acomodar outro serviço junto com o SIM-PR, na atual estrutura física é inviável, já que o espaço que atende o CAPS AD III e o SIM-PR já está comprometido com toda a estrutura para atendimento e acolhimentos dos pacientes.

O Sim Paraná é mantido pelo Governo Federal com suporte do Estado, porém para manter toda a estrutura funcionando é necessário ajuda dos 25 municípios de abrangência do serviço. São 47 profissionais, 25 pacientes acolhidos, uma média 3 mil atendimentos por mês.