Paulo Porto representa Cascavel em Congresso Brasileiro de Agroecologia

Paulo Porto representa Cascavel em Congresso Brasileiro de Agroecologia

Vereador foi convidado para falar sobre a Lei 6484/2015 de Cascavel que
versa a restrição ao uso de agrotóxicos próximo as Escolas, CMEIs, UBSs e
Núcleos Residenciais Rurais

O vereador Paulo Porto (PCdoB) representa
Cascavel no XI CBA (Congresso Brasileiro de Agroecologia) que acontece na
Universidade Federal de Sergipe (UFS) em Aracajú. O encontro ocorre entre os
dias 4 e 7 de novembro com o lema “Ecologia de Saberes: Ciência, Cultura e Arte
na Democratização dos Sistemas Agroalimentares”.

Desde 2003, o Congresso Brasileiro de
Agroecologia (CBA) vem sendo realizado com participação ativa e ampla de
instituições de ensino, pesquisa e extensão e a sociedade civil organizada
envolvida com as demandas da agricultura familiar e lógicas familiares de
produção, em geral. Inicialmente pensado como espaço de valorização da
agroecologia como ciência, o CBA vem amadurecendo como verdadeiro espaço de
diálogo entre os conhecimentos científicos e práticos, construído por todos os
parceiros da agricultura familiar e camponesa, no Brasil e no mundo.

Porto foi a convite da organização do evento
para falar sobre a iniciativa e a experiência de Cascavel, através da lei 6484/2015, de autoria do
vereador que versa sobre a restrição do uso de agrotóxicos próximo a escolas
rurais e CEMEIs, núcleos residenciais rurais e UBS rurais. Para Paulo Porto participar
de um evento como esse com caráter internacional é de grande importância para o
mandato, para a Câmara Municipal e para Cascavel. “Demonstra que estamos no
caminho certo na busca por alternativas ao alto consumo de agrotóxicos” diz
Porto. “E apesar de Cascavel estar em uma região campeã em consumo de
agrotóxicos, na contradição vai na vanguarda nacional com os debates,
audiências públicas, com a restrição ao Agrinho na rede municipal de educação e
a lei que aprovamos”, conclui.

A
representação do município vai além da apresentação da experiência local, o
congresso também serve para que o vereador conheça alternativas e
possibilidades que estão sendo realizadas em outras partes do país em relação a
agroecologia e a agricultura orgânica e seguir na luta contra os agrotóxicos em
Cascavel e região. “A ideia é apresentar e compartilhar experiências” afirma
Porto que participa da uma mesa de debates na tarde de hoje (05/11) como
debatedor.

Mais de 3 mil
participantes são esperados no congresso, representantes de agricultores, quilombolas, indígenas e
marisqueiros.