Porto participa de ato público contra aumento do IPTU e transporte coletivo

Porto participa de ato público contra aumento do IPTU e transporte coletivo

Cascavel (11 de janeiro) – O vereador Paulo Porto (PCdoB) participou nesta sexta-feira (11) de um ato público contrário ao reajuste das alíquotas do IPTU e do transporte coletivo urbano no município de Cascavel. A manifestação contou com a presença de estudantes, movimentos sociais, partidos políticos, sindicatos e representantes de entidades da sociedade civil organizada.

Porto irá propor uma audiência pública para discutir esse aumento considerado abusivo pela população cascavelense. “O grito é importante, mas só com ele nada se resolve. Junto à ação política temos que buscar, dentro de formas legais, alternativas para revogarmos essa lei. Além disso a audiência também colocará em pauta, junto a tributaristas, questões importantes sobre esse projeto e sobre o IPTU progressivo para combater a especulação imobiliária em Cascavel”, ressaltou.

O vereador também reforçou a importância das manifestações populares. “Representar a população é estar ao lado dela nas ruas, fazendo as cobranças necessárias. Nossa proposta é fazer um mandato participativo, voltado às demandas populares, por isso estamos aqui colocando nosso mandato à disposição”.

Para o parlamentar, a atual legislatura tem um papel histórico. “Essa Câmara tem o papel de apagar a imagem que ficou da antiga legislatura, a imagem de um legislativo subserviente que, uma Câmara que aceitou a aprovação de um projeto dessa importância na calada da noite”, afirmou o vereador.

O reajuste do IPTU proposto pela prefeitura terá variações por determinada região da cidade. Ele representará aumentos escalonados, nos próximos 10 anos de até 665% nos valores venais dos imóveis. Segundo a prefeitura, o valor foi reajustado porque estava defasado há 12 anos. Já o aumento da tarifa do transporte coletivo passou de R$ 2,40 para R$ 2,60, um acréscimo de 8,33%.

“Entendemos que os impostos são necessários, pois devem ser aplicados em políticas públicas. O que nos incomoda é que não houve debate algum com a população em relação a esse aumento. Além do projeto, temos que discutir quem paga esses impostos e para onde vão esses impostos ”, conclui Paulo Porto.

Legenda: Porto durante manifestação no calçadão da Avenida Brasil
Crédito: Victor Hugo Junior