Porto questiona entrega de cartilhas da Syngenta em Escolas do Campo

Porto questiona entrega de cartilhas da Syngenta em Escolas do Campo

O vereador Paulo Porto (PCdoB) está questionando a entrega de kits de cartilhas produzidos pela iniciativa privada em escolas públicas de Cascavel. Os materiais supostamente pedagógicos produzidos pela Syngenta, multinacional do agronegócio, foram entregues na Escola Municipal do Campo Aquiles Bibilio, na BR-277, região do Centralito.

Porto, que preside a Comissão de Educação da Câmara, esteve nesta quarta-feira (13) na unidade escolar. Segundo informado ao vereador, as cartilhas foram entregues na escola pública por funcionários da Cooperativa Agroindustrial de Cascavel (Coopavel).

O vereador quer saber de quem partiu a autorizaçao para que uma empresa privada distribua materiais com o conteúdo pedagógico na rede municipal de ensino. Ele fará requerimentos a Secretaria Municipal de Educação, consulta ao Conselho Municipal de Educação e entregará os materiais na Promotoria do Meio Ambiente do Ministério Público.

As cartilhas intituladas “Escola do Campo” assemelham-se ao material Agrinho, produzido pelo sistema FAEP – Federação da Agricultura do Estado do Paraná. Escolas da rede municipal e estadual de ensino já foram notificadas pelo Ministério Público do Paraná sobre esse tipo de material com a recomendação que não seja veiculado nas unidades por não atender os objetivos pedagógicos da rede.

O Agrinho incentivava o uso de agrotóxicos em seu conteúdo. Empresas privadas como Daw AgroeSciences, Du Pont e outras organizações de herbicidas e pesticidas nacionais, patrocinam as cartilhas. A Syngenta também é uma das maiores produtoras do mundo de agrotóxicos.

Fotos: Flavio Ulsenheimer/Ass. Câmara

Material foi distribuído na Escola do Centralito